25 de jun de 2017

Ao abrir os olhos #3.1 | Oh, parece que fracassei.

Anteriormente em Ao Abrir os Olhos...
Começo a voar, e de repente, desmaio enquanto voo.
- Olá Cristian! O mago do Tempo me anunciou sua chegada. 
- Eu ainda quero saber, que diabos é esse mago?
- Você saberá em breve, aprendiz.
- Eu percebi que... Ele tem as mesma características que meu.. pai.
- Se..Seu pai?
-Err... Você me libera a passagem secreta para as cavernas marinhas?- Indago, com a voz trêmula.
- Você conhece? Para desbloquear, você terá que batalhar com migo!- A figura se sai da escuridão e surge- Era lindo demais para morrer.
Capítulo anterior aqui

UOU!
A distância profunda das cavernas marinhas até aquela caverna é... INCRÍVEL!! A caverna começa a tremer, e as águas das cavernas marinhas cria ondas- O teto estava desabando. Eu tinha um incrível medo de altura, vejo o pinguim atrás de mim. Ele está... Assustado.
- Adeus!- Exclamo, e pulo para as cavernas marinha.
Dou um mergulho, e uma enorme bolha se forma sobre mim- assim consigo respirar. Vejo os pedaços de pedras caírem sobre a água. Vejo minha vida de ante de meus olhos, e choro. Eu me lembrei que, sempre fiquei preso em meu iglu. Eu sei que não tinha nada a ver, mas, nunca explorei o mundo lá fora. Minha mãe me assegurava de tudo bem, disse que lá fora avia muito depressão, mas, eu ficava cada vez mais doente preso no meu iglu.
* Está tudo bem*?- Indaga minha mente.
* Eu... Acho que não..*- Respondo.- * Mente, por que eu fiquei preso durante esse tempo todo? Depois da morte da minha mãe, eu tive uma depressão profunda, e ela quis que eu sempre passasse bem. Minha irmã desapareceu, e eu estou sozinho, perdido*!
Olho para baixo, e de repente, uma porta se abre, e uma ventania terrível suga minha bolha até onde aquela porta ia.
* Mente, eu acho que esse é meu fim.*- Exclamo, fechando os olhos.
A bolha estoura, e sou remessado em direção ao chão.
* Ou não.*- Exclama a minha mente.
Ando pelo lugar, parecia... Secreto.
- Deus, me ajude!
Continuo explorando o lugar, até que.. Vejo uma jaula, e uma pinguim está chorando.
- Por que está chorando? Tá tudo bem...
- Não, não está tudo bem! Me sequestraram, e agora estou bem, bem distante de casa.
- Eu te ajudo.
Tento estoura aquela bolha que mantêm aquela pinguim prisioneira- Não dá certo.
- Você tem que quebrar aquele mequanismo! Ele é raro, e está sendo dominada pela rainha da água.- Exclama ela, com medo em seus olhos.
- Espera, aonde estou?- Indago.
- No templo dos elementos.
(...)
Minha mente fica completamente bugada. Templo da água? Como assim?! Eu paro de pensar, e corro para aonde aquela pinguim avia me falo.  Tenho que forçar as engrenagens! Penso, penso... Algo incrível veio a minha mente!! Por incrível que parece, ele estava completamente enferrujado. Seria fácil- Ou pelo que eu acho. Pego uma pedra que avia lá, jogo no mecanismo e... O mecanismo se partiu, voando todas as engrenagens e peças, algumas sobre minha cabeça. Estou deitado no chão, me levanto, e, aquela pinguim estava com um sorriso maléfico e assustador.
- Valeu, agora, estou completamente livre- exclama ela. - Me chamo, Lili.
Eu me aproximo dela.
- Me chamo... Cristian.- Respondo.
Então me aproximo, e.. Dou um beijo nela. E ela me dá um tapa.
- Seu louco! - Exclama ela, com as bochechas vermelhas. - Mal nos conhecemos..
* VOCÊ É DEMENTE?!*- Indaga minha voz. * O mago do tempo está me alertando de outro chefe nesse templo. Você ganhará poderes, pois, esse chefe é só derrotado com grandes poderes. Good lucky*!- Exclama minha mente.
* MENTE! ESPERA! Preciso de outra dica para derrotar esse chefe!*- Exclamo para minha mente.
* Isso é um enigma: Fogo, água. Eu lhes convoco, e uma fusão lhe ordeno despertar! Lá nas profundezas do mar, é possível ouvir seu despertar!*- Exclama minha mente, desligando a nossa conexão.
Precisamos sair daqui, não tem como fugir do destino.
- Você parece mal. - Exclama Lili.- Não se preocupe, nós iremos descobrir uma saída.
É por isso que me apaixono por ela... Opps.
- Eu sei, mas... Que saída?
- Aquela porta!- Exclama ela, apontando a nadadeira para a porta da direita.
Ela é tão inteligente! Então, corremos para a porta que ela aponta, até que quando estamos quase chegando na porta, o chão racha, e se quebra em 3 pedaços. Eu estou na pedra direita, e Lili na pedra esquerda.
- VOCÊS ACHAM QUE VÃO PASSAR?- Ecoa uma voz. - Eu sou o Billy, bem-vindos. Vocês estão em meu templo. Meu templo, minhas regras.
* Mente, meus poderes*!- Exclamo com minha mente.
Então, no meio das pedras, um corpo se integra, e um pinguim aparece.
- Eae, menininhas?- Exclama o Billy, com fogo nos olhos. - É hora do show!
Ele joga quatro pequenas bolas de fogo na pedra de Lili, fazendo ela desequilibrar e cair.
- LILI!- Grito.
O seu grito ecoa pelo fundo dos pilares de pedra.
- MISERÁVEL! - Exclamo, jogando bola de fogo nele.
Ele desequilibra e quase cai.
- Eu... Já tenho poderes?!- Indago.
Ele está zonzo, mais com raiva de mim. Ele se levanta, mais forte.
- Haha, isso não é nada!- Exclama ele. - Raio ultra sônico!
Uma bola gigante começa a se formar entre suas nadadeiras e era algo para me preocupar. Ele atira a bola na minha direção, e sou atingido e jogado no fundo dos pilares de pedra, assim, caindo no mesmo lugar em que Lili caiu. Fracassei, o Billy ganhou.
Continua...