9 de jul de 2017

A verdade está lá fora #11 | Serpentina e purpurina

Olá pinguins! Sejam bem vindos ao décimo primeiro capítulo da segunda temporada de A verdade está lá foraVamos acompanhar os rebeldes a respeito da comemoração da vitória sobre o Império Alienígena?

Clique aqui para acessar a primeira temporada de A verdade está lá fora.





Mini-galpão base da Resistência, 11:30 PM.

No lado de fora do mini-galpão base da Resistência, todos os rebeldes veem uma nave simples de transporte pousar ali mesmo. Era Dot! Que havia acabado de chegar a ilha.

- Dot! Quanto tempo! O que houve com você minha cara amiga? - diz Gary a abraçando

- Eu fui capturada pelos alienígenas e levada até o Planeta Y, mas por sorte não perceberam que eu era a Dot, então me mandaram para o Planeta Y, ao invés da estação espacial, e lá eu fiquei presa por oposição política ao regime. Mas tudo isso já passou, e olha só como estão bem meus caros amigos! - diz Dot feliz e se sentando na grande mesa

Todos os rebeldes que ali estavam presentes tinham uma história, apesar de todas as perdas, todos comemoravam arduamente a vitória, todos estavam muito felizes. Alijomel tocava guitarra juntamente com Lamusta que cantava com um microfone, velhas canções da Cadence.

Carrie se sentou ao lado de Gary e disse:

- Gary... E se tudo foi em vão? E se algo maior nos espera?

- Com certeza não há nada mais a ser detido, Theodore tinha uma sede de poder incontrolável, fazia tudo o mais rápido possível, não há nada mais a ser temido. - diz Gary bebendo um suco

Enquanto Lamusta cantava e Alijomel tocava, Danielps dançava alegremente com Lililuane. Perto dali estava Paul e Eduerafa, os dois conversavam sobre que carreira Eduerafa deveria seguir.

- Eu não quero mais ser fazendeiro! Gostaria de seguir uma nova carreira, afinal estamos em uma nova era! - diz Eduerafa

- Ok! Você gosta de números? Tem um bom raciocínio? Gosta de ler ou explorar o passado da Terra e da humanidade? Ou então gosta se encanta pela natureza? Afinal do que você gosta? - diz Paul comendo petiscos

- Bom, eu como fui fazendeiro, me encanto pela natureza, mais precisamente na área botânica sabe. - diz Eduerafa

- Por que não vira biólogo como eu? Só que aí você se especializa em botânica. - diz Paul agora bebendo um suco

- É uma boa! - diz Eduerafa sorrindo

Danielps e Lililuane se sentam novamente na grande mesa e começam a conversar.

- Foi muito legal dançar com você! Eu nem acredito que vencemos essa batalha sobre aqueles imbecis. - diz Danielps

- Também gostei da dança! E sim, nós vencemos. Depois de muito tempo nós vencemos! - diz Lililuane

- Eu não estou acreditando, finalmente vencemos! - diz Danielps começando a chorar

- Minha nossa! Se acalme! Ha ha ha, nós vencemos! - diz Lililuane sorrindo para o amigo

A festa estava virando um bagunça, ainda mais quando Gary acionou a sua mais nova invenção que fazia um belo jogo de luzes, todos pulavam e dançavam. Mas então começaram a sair do local do mini-galpão base da Resistência e cada um carregava um objeto e iam em direção a onde um dia foi a Praia.

Local onde foi a Praia11:50 PM.

Minutos depois, lá estavam os rebeldes, a comemoração aumentava de tamanho. Além dos rebeldes, parte da população estava lá comemorando na Praia, o resto comemorava ao longo da ilha.

Lá estava um artista esculpindo o rosto de Drake em uma grande pedra e começando a esculpir a face de Carrie, ele estava esculpindo o rosto de cada um dos rebeldes pela ilha. Isabelle e Jonny observavam o artista esculpindo.

- Uau como ele esculpe bem! - diz Jonny olhando para Isabelle

- Sim! Depois quero ver a minha estátua. Ha ha ha. - diz Isabelle rindo

Uma bebida típica da cultura alienígena fazia sucesso na festa, mas curiosamente deixavam todos como se estivessem embriagados, sem realmente estarem. E isso fez que a comemoração ficasse muito mais interessante, a grande mesa acabou virando um palco.

Todos os rebeldes que carregavam as marcas, os custos dessa vitória, ignoravam tudo que perderam, pois como eles diziam, o que importa é agora! A ilha inteira se encontrava em festa, os pinguins e os alienígenas conviviam muito bem juntos. A ilha estava decorada com muitas bandeirinhas coloridas e muitos fogos de artifício e também muitas serpentinas e purpurinas.

Carrie observava o mar junto com o seu amigo Michael.

- Acabou! Finalmente acabou! Nós conseguimos! Todos nós conseguimos! - diz Carrie sorrindo e rindo

- Sim! Nós conseguimos! Nada ou ninguém tirará nossa liberdade mais. - diz Michael

- E quem tentar tirá-la terá que passar por cima da Resistência primeiro! Depois dessas comemorações finalmente poderemos ir para a Ilha do Club Penguin, algo que devíamos ter feito há muito tempo já. - diz Carrie olhando para o horizonte e sorrindo

Carrie e a toda a Resistência haviam conseguido! Acabaram com o maléfico Império Alienígena, agora só faltava cada um seguir a vida normalmente na Ilha do Club Penguin! Em uma nova era e em um novo tempo! Desde do exato momento em que Isabelle foi abduzida na Floresta, até o momento em que o Capitão Neve conseguiu acabar com o imperador alienígena, todos estavam condenados, mas os rebeldes viram a luz no fim do túnel e resistiram até o último segundo, apesar de todas as perdas, a tirania acabou. Uma geração de agentes e uma de rebeldes lutaram arduamente contra os alienígenas, merecida vitória!

Esse foi o 11° capítulo de A verdade está lá fora. Fiquem atentos, pois domingo que vem teremos o 12° e último capítulo! Até mais e... Pinguinando!