14 de jan de 2017

Honra, O Legado Divino #3 I Perigos Conspícuos

Olá pinguins! No último capítulo de Honra o Legado DivinoLanti concedeu os poderes do grandioso Pugnatroces para o mais novo e nobre servidor da paz, Bogan, que foi consagrado, a alma mais pura dos Reinos Terrestre. Porém, semanas depois, o mensageiro traz uma notícia preocupante, e que poderia levar a vida de muitos, e dessa vez, Pugnatroces não estaria lá... (As referências continuam!)  Aviso: Capítulo Longo!




Castelo de Lanti/Reino das Nuvens(Amanhecer)

- O que?! - Diz Lanti pulando de seu trono, ele tira o mensageiro de sua frente e corre
desesperadamente para fora. lá fora , as nuvens estão rosas, o céu bem estrelado, o horizonte emergia um tom de roxo das profundezas do céu. Mas isso não importava para Lanti , pois continuava a correr. Enquanto ele corria, ele dá uma breve olhada para o céu, e não vê o monstro.

- Mensageiro! Onde está o monstro? Eu não consigo vê-lo. - Resmunga Lanti.

- Senhor, a grande criatura fica invisível, ao nosso olhar, mas os Especialistas Olhos de Águia podem vê-la. Foram os próprios que me comunicaram do monstro, deixe-me leva-lo até eles. - Diz o mensageiro indo na frente.

Lanti e o Mensageiro correm entre as nuvens, o observatório ficava um pouco longe dali, então eles tinham que se apressar. Lanti sabia que aquilo poderia levar um tempo, então ele agarrou-se ao Mensageiro e se teletransportou até o observatório.

- Me digam logo o que está acontecendo, e por que eu não consigo ver esse monstro no céu? - Pergunta Lanti preocupado.

- S-senhor, uma criatura está se aproximando do nosso planeta! Ela parece ter um aspecto metálico, e ter uma defesa magnética. - Diz um dos especialistas.

- O que? Mas isso não é uma criatura, só pode ser uma nave. - Diz Lanti.

- O problema, é que ele emite sinais de vida, então acreditamos que essa seja uma criatura de metal. A última que nos visitou era feita de pedra, então, acho que isso tem chance de ser outra. - Diz um outro especialista.

- Me diga seu nome, e em que cargo tu estas nesse observatório? - Pergunta Lanti.

- Ham,meu nome é Elddie, e eu trabalho como estagiário... - Diz o próprio.

- Ótimo, a partir de agora tu é o comandante. Encontre essa fera, agora! - Grita Lanti.

- Sério?!... Ah, sim senhor! Muito obrigado! - Diz Elddie - Voltem ao trabalho, foquem o telescópio no espaço!

Enquanto os especialistas do observatório trabalhavam, Lanti avista um comunicador de alta distância no canto da sala. Ele decide ligar para um velho amigo, para ajudar na possível próxima batalha. Lanti põe a localização e inicia a chamada.

- Alô? Com quem falo? - Pergunta uma voz.

- Alô? Cybernics, és tu? - Pergunta Lanti do outro lado da linha.

- Lanti! Quanto tempo! Você não visita mais o Reino de Garichald desde que me tornei general... Ou seja, muito tempo! - Diz a voz agora revelada Cybernics.

- Olha, eu também estou com saudades, mas preciso de sua ajuda. Você ficou sabendo do que conteceu a Pugnatroces, não é? - Pergunta Lanti

- Sim... Eu lamento muito sua perca, mas, você sabe, o Titã nunca se arrepende de seus atos. - Diz Cybernics com seu sotaque.

- Sim, eu sei, todos estamos tristes, as especulações do que o matou são muitas! Mas, entretanto, sabemos que foi um monstro grande em formato de cobra que o matou, e quero que tu me ajude a discutir o que pode ter sido, o Titã ainda não me contatou sobre o caso. Sua tecnologia pode me ajudar. - Diz Lanti com esperança.

- Ah, é claro! Será que poderia se teletransportar para cá? - Pergunta Cybernics.

- Acho que não, minha energia está pouca... - Diz Lanti. Ele pensa por um segundo no que fazer, até que tem uma ideia. - Vocês aí, já conseguiram achar a localização dele?

- Sim, ele está indo em direção a Selva Biônica, que fica mais ou menos próxima ao Reino de Garichald. - Diz Elddie olhando no mapa holográfico.

- Perfeito. Quanto tempo até a queda? - Pergunta Lanti.

- Uma hora e cinco minutos, pelos cálculos da máquina. - Diz Elddie mais uma vez.

- Argh... Cybernics, prepare seus soldados... iremos batalhar. - Diz Lanti.

- Esse é o espírito! - Diz Cybernics.

Lanti desliga o comunicador.

- Preciso chamar Bogan e Drarcum para a guerra, precisaremos dos melhores guerreiros para que não aconteça aquilo denovo... Mas, por que Titã? Por que fazes isso...

Cofins Desconhecidos(X)

Nos confins desconhecidos do universo, o Titã medita, observando todo o universo ao seu redor, e estando em um lugar isolado, seria o momento perfeito para meditar, sua mente estava tão calma, que ele conseguia flutuar sobre os espelhos. Porém, uma notícia lhe chega de última hora: A terra, estava sobre um segundo ataque ''alienígena''

- Hm, tenho que falar com ele sobre isso... - Diz o Titã não citando o nome da pessoa.

Ele desce na plataforma espelhada, e começa a andar. Ele estava adentrando uma nebulosa, e enquanto entrava, ele usou seus poderes de modelação da realidade para se teletransportar a medida que ia se movendo. As coisas mudavam a cada vez que ele dava um paço, até se teletransportar por completo.

Nebulosa Negra(X)

O Titã chega em um lugar escuro, que parece liberar gases negros de todos os cantos, o que tornava o lugar ainda mais impossível de se enxergar.

- Destino... Quero falar com você - Diz o Titã referindo-se a um tal ''Destino''.

- O que queres aqui, Titã? - Pergunta uma voz.

- Eu sei, que você sabe o que está acontecendo lá na terra... - Afirma o Titã - Mas, por que não me contaste sobre isso? É a segunda vez que isso acontece.

- Titã, não se preocupe, eu sei o que faço. O destino fala mais alto. - Diz o próprio Destino.

- E por que não me avisou sobre estes dois ataques? Era sua obrigação me avisar todas as coisas ruins que iriam acontecer, como esta! - Diz Titã se segurando.

- Não precisa se preocupar, eu poderia te falar muitas coisas, muitas explicações, muitos fatos sobre o futuro... Mas, o destino me impede de fazer isso, pois eu sei o que vai acontecer, se eu falar... É muito complexo, pai. - Diz o Destino.

- Destino, sua obrigação, independentemente disso também é seguir minhas ordens, e infelizmente, não posso te colocar de castigo, se fizer algo errado... - Diz o Titã.

- Mas, por que não? - -Pergunta Destino - Por causa de seu ''amor por todos''? Sabe que eu tomo decisões de acordo com o equilíbrio, não é?

- Sim, eu sei. Mas, você não deve ficar de castigo. É velho demais - Ironiza Titã - Espero que saiba o que você está fazendo...

- Não se preocupe, só quero que memorize essa frase: ''A água evaporada do chão, sempre volta na tempestade''. - Poetiza Destino

- Muito interessante, filho. Se cuide, eu preciso me movimentar. - Diz o Titã.

- Adeus, pai. - Diz o Destino se despedindo

Titã volta para os Confins.

Fortaleza de Cybernics/Quartel General(Tarde)

Latin e Cybernics estavam sentados em uma mesa, antes que a organização das tropas e dos guerreiros fossem feitas, eles aproveitavam o tempo livre que tinham esperando os mesmos chegarem, e assim, discutir sobre a morte de Pugnatroces.

- Eu simplesmente não entendo... Assim, Pugnatroces era um deus! E deuses são imunes a quase tudo nesse universo! Eu não consigo compreender, será que foi algo vindo de outra dimensão? - Opina Lanti.

- Pensava que você sabia tudo sobre o nosso universo... Não é mesmo, Lanti? - Pergunta disfarçadamente Cybernics.

- Do que estas falando? - Pergunta Lanti curioso.

Cybernics levanta-se de sua cadeira e anda até seus arquivos, lá, ele pega um deles, e volta para sua cadeira. Ele aperta um botão na mesa, a mesa libera uma espécie de ''porta cartucho'', e ele coloca o arquivo. A mesa reflete um holograma azulado, contendo todas as informações do arquivo em uma tela holográfica.

- Nossa, fascinante! - Exclama Lanti - Não é atoa que tu és reconhecido por ter essas coisas.

- Pois é, eu sei que a maioria adapta-se a tecnologia divina, mas, sabe como é, temos sempre que nos virar! - Diz Cybernics.

- É esse é o cara! - Ironiza Lanti. - Mas... o que queres me mostrar?

Cybernics puxa um monóculo de sua roupa metálica e grupa em seu capacete.

- '' Titã, o grande criador do universo, dormia em sua grande esfera de vácuo, onde nenhuma matéria conseguia perturba-lo, o seu sono era profundo, dizem que ele sempre dormiu, sua vida toda. Até que, um dia, um pequeno fragmento de matéria ousou entrar em seu aglomerado de poder. E o Titã, acorda. Quando ele acorda, a esfera é rompida, e todo o poder que dentro da esfera se concentrava, liberou-se pelo espaço...'' Depois disso, vem a criação de cada detalhe do universo... Mas, temos pouco tempo para ler, então, pulemos logo para a parte que eu quero lhe mostrar: '' Quando o Titã, decidiu criar a ordem e o caos, junto a eles, vieram o bem e o mal e a honra e a discórdia. O Titã não podia manusear tantas coisas assim no universo, por isso, ele criou as criaturas que fariam esses dois lados serem equilibrados. Deuses... E...'' - Acaba Cybernics.

- Espera... Você está dizendo que estes monstros, são...

- Isso... São demônios! - Exclama Cybernics.

- Faz sentido... Sim, faz! Pois há muito tempo, existia um demônio chamado... - Mal acaba Lanti quando é interrompido por Cybernics.

- Não temos mais tempo para conversas... Bogan e Drarcum chegaram. - Diz Cybernics - Venha, é hora de travar a batalha.

Fortaleza de Cybernics/Saída de Guerra(Tarde)

Em uma área aberta da Fortaleza, Bogan e Drarcum observam as naves saindo para fora. Eles estavam esperando as ordens de Lanti e Cybernics, para poderem ir para a batalha.

- Ei Drarcum. - Diz Bogan.

- O que? - Pergunta Drarcum.

- Eu estive pensando... Este lugar tem tecnologia muito mais avançada do que as que temos em todos os reinos. E é uma tecnologia bem efetiva, principalmente nas guerras. Então, por que os guerreiros ainda usam armas como os machados? - Pergunta Bogan curioso

- Hahahahahahaha! Acha mesmo que essas geringonças que atiram luzinhas são mais fortes que as armas brancas? - Ironiza Drarcum - O Titã, desde que nos enviou para esse mundo, nos possibilitou o dom da magia, com ela, podíamos fazer coisas incríveis, e uma delas, foi a aperfeiçoamento das nossas armas de combate. E então, as armas brancas conseguiam expelir a energia mágica dentro delas. E não dá pra fazer isso com essas coisas de metal que atiram balinhas e luzes...

- Nossa, o Titã quer mesmo que eu aprenda... - Pensa Bogan

Perto dali, dois pinguins estavam em um balcão com as mãos apoiadas, um deles lia um arquivo de pasta vermelha. Ele fala:

- Vem cá, por que esse arquivo é vermelho? Essa cor é muito sem graça! Lá em meu reino costumamos fazer uns padrões de cores bem legais.

- O papel tem cor vermelha por que é algo importante... Aliás, isso fala de mim, então é mais importante ainda. - Diz o outro.

- Ah, então esse é você? - Pergunta o pinguim. - Vamos dar uma lida... '' Nome: Rafiki Geverf, Nasceu no Reino de Zimbá, Trabalha como: Caçador e Agente da Cybernics.inc, Profissional em: Artes marciais, caça, arremesso e nadar. '' Nossa, você é um cara impressionante!

- Obrigado... Enquanto a você? Cybernics te chamou também? - Pergunta Rafiki

- Sim! Prazer, meu nome é Daniel Paulapalos Silvense, mas me chamam de Dani. - Diz Dani.

- O prazer é todo meu... Você já sabe meu nome, mas eu também tenho apelidos sabe? - Diz Rafiki - Um dos meus amigos me chama de Pantera Negra, mas eu não gosto muito... Prefiro Olho de Rapina.

- Por que te chamam assim? - Pergunta Dani curioso.

- Como você viu em meu currículo, eu sou muito bom em arremesso, então, deram esse nome. - Explica Rafiki. - Mas... Tem outro apelido, que me deram por causa da minha obsessão por arte... Me chamam de Pintado.

- Vou te chamar de Pintado, hehe - Ironiza Dani.

- Hunf, tá então... E você, de onde você veio?

- Eu sou do Reino de Pandur, as coisas ficaram meio tristes desde que Pugnatroces morreu por nós, mas, fora isso, lá é bem animado, eu trabalho como cavaleiro real, sou bom em: mira, pecuária, luta de espadas e resistência nas guerras.

- Muito interessante... - Diz Pintado.

- Ei vocês dois, venham logo, Lanti e Cybernics já estão chegando! - Grita Bogan

Os dois guardam os arquivos que estavam lendo e se apressam.

- Bogan, só uma coisinha - Diz Drarcum - Por que sua camisa tá pintada com um coração?

- Ah, essa camisa é velha, foi minha irmã que pintou. Mas, é uma longa história...

- Quem está pronto para batalhar? - Grita Lanti

Nave de Cybernics/Selva Biônica(Anoitecer)         

    Todos estavam se preparando para enfrentar o grande monstro, Dani e Pintado estavam conversando em uma mesinha do lado da grande janela, Lanti e Cybernics checavam mais algumas pistas sobre o  a morte ocorrida, os outros soldados estavam embaixo da nave, em uma nave menor. Bogan e Drarcum estavam em bancos no fundo da nave. Bogan estava nervoso, ele temia de que algo iria acontecer denovo, como outra morte. Drarcum percebe o nervosismo de Bogan, e pergunta:

- Está com medo da batalha, Bogan? Ou ainda tem medo de mim? - Ironiza Drarcum

- Não Drarcum, eu não tenho medo de você... É que, são muitas pessoas indo em uma batalha só, muitas delas vão morrer! E nosso objetivo não é justamente mante-las vivas? - Pergunta Bogan ansioso por respostas.

- Hmm... Bogan, os guerreiros, são pessoas honradas, eles dão sua vida pela de milhares, e eles não tem medo morrer, porque sabem, que estão fazendo a coisa certa, e de que Titã irá abençoa-los... - Diz Drarcum olhando para o céu janela a fora.

- Nossa Drarcum... Isso, é muito lindo. Fico feliz que pensa assim. - Diz Bogan colocando a nadadeira no ombro de Drarcum.

- Posso parecer malvado, mas lá no fundo, sou um cara sonhador sabe? - Diz Drarcum sorrindo. - 

- Hehe, também acho - Diz Bogan rindo.

              Enquanto isso, na mesa de informações, Lanti e Cybernics batiam cabeça para resolver esse caso, estavam tentando achar várias coisas escondidas, que ninguém notou, alguma pista importante despercebida. Lanti fala:

- Aqui, em um artigo científico, diz que uma das coisas mais fatais para os deuses, são nébula de demônio.

- O que é nébula de demônio? - Pergunta Cybernics.

- É uma espécie de gás que sai de dentro desses demônios modificados! - Conclui Lanti.

- Hmm, pode ter sido isso, já que haviam evidencias de rastros de um gás verde. Mas, quem são esses tais demônios modificados? - Pergunta Cybernics.

- Como eu te falei, é uma longa história, mas contarei pra você brevemente. Resumidamente, há um ser muito poderoso, lá no espaço, bem longe, e ele usa seu poder pra gerar outros demônios, e manda-los para terra. - Explica Lanti. - E minha teoria, é de que ele coloca esse gás, que até agora tinha fonte incerta, dentro de seus monstros. - Explica Lanti.

- Vou codificar essas informações. - Fala Cybernics pegando um teclado holográfico. - Preciso de um codinome para os dois demônios, Lanti...

Lanti pensa em algum nome rapidamente, e tem uma ideia:

- Não sou muito criativo para nomes, então coloque Demon001 e Demon002. - Diz Lanti.

Cybernics começa a digitar o texto. Dani e Pintado, conversam sobre seus lugares de origem, sua infância, vida antiga e etc. A nostalgia toma conta dos dois.

- Sabe, em Pandur, temos muito afeto pela natureza, ela literalmente faz parte de nossas vidas! Lá, as árvores são muito resistentes, expostas por todos os lugares, até mesmo nas ruas. E o oceano nem se fala, tem água por quase todos os cantos. É um lugar maravilhoso! - Diz Dani animado.

- Hm, deve ser um lugar bem animado. Aqui na minha terra, somos muito apegados aos animais, desde que essa selva sofreu alterações, ela ficou perigosa demais para os próprios, então costumamos ter animais como crocodilos domesticados. - Diz Pintado.

- Uau, que demais! - Diz Dani impressionado.

- Também temos uma tradição cultural, em que o falcão e a pantera são animais protetores, por isso, são mais ágeis e silenciosos. Merecem muito respeito. - Diz Pintado.

- Vamos pessoal, hora de ir para o confronto. - Diz Cybernics abrindo as comportas da nave.

Selva Biônica(Noite)

- Seguinte pessoal, há muito tempo atrás essa selva foi atingida por um asteroide, os restos da pedra espacial podem ser visto em cima daquela montanha. - Diz Pintado. - Tomem cuidado, pois as coisas aqui mudaram drasticamente, a vegetação é carnívora e alguns animais foram modificados fisicamente.

Enquanto todos saiam da nave, Bogan havia perdido a sua espada, e não conseguia acha-la em lugar nenhum. Cybernics viu que Bogan estava procurando algo, e decidiu pergunta-lo:

- Bogan, o que perderas?

- Minha espada, eu não consigo achar - Diz Bogan.

- Ah, eu vi ela hoje mais cedo perto do abastecedor, ainda deve estar lá. - Opina Cybernics.

- Obrigado! - Diz Bogan.

Bogan sobe as escadas para o segundo andar da nave, para ir até o abastecedor. Chegando lá, ele vê sua espada encostada na parede, e vai pega-la. Mas quando chega lá, ele vê uma jaula, bem grande, e dentro dela tinha um pinguim vestindo uma roupa azul com algumas partes metálicas. Ele estava dormindo, Bogan estranha, mas decide voltar, pois o tempo era pouco. Quando ele desce as escadas, vê Cybernics ainda sentado na cadeira de piloto. Ele pergunta:

- Cybernics, você não irá ir para a batalha conosco? - Pergunta Bogan.

- Não... Eu irei ficar aqui, tenho que transmitir o status da missão para a central. Eu colocarei a nave em posição estratégica, para poder atirar mísseis no monstro. - Diz Cybernics

- Ah, tudo bem então. Mas, eu queria te perguntar outra coisa, quem é aquele pinguim dentro da jaula lá no segundo andar? - Pergunta Bogan curioso.

- Ah, o Técnico 1. Ele é um dos soldados elétricos... Só que com um defeito. Como nos outros soldados, foi injetada uma certa quantidade de soro elétrico, para poder recarregarem as armas de energia durante o combate com suas próprias mãos. Porém, as coisas não deram muito certo com ele, pois a dose foi muita, e ele acabou expelindo muita energia, sendo capaz até de soltar raios de seu corpo, ele virou uma arma mortal... Porém, ele não consegue controlar seus raios, e nem se auto controlar, então, ele acaba sendo defeituoso demais... - Explica Cybernics.

- Que horror... Espero que ele melhore. - Diz Bogan com pena do pinguim

- Todos nós queremos. Ele é um injustiçado da vida... - Diz Cybernics.

- Venha logo Bogan, estamos perdendo tempo! - Grita Drarcum.

- Ih, preciso ir, até mais Cybernics! - Bogan se despede.

Bogan desce da nave e se junta aos guerreiros, os soldados saem da pequena nave abaixo da de Cybernics, não eram muitos mas era o suficiente para se travar uma batalha. Quando todos finalmente saíram, eles andaram pela floresta, a caminho do ponto da queda.

- Cybernics, do que exatamente estamos nos protegendo? O nosso único foco é o monstro, não precisamos de tanta defesa. - Diz Bogan confuso.

- Como Rafiki havia nos dito, essa selva possui seres modificados pelo meteoro, e pelos detalhes a mais que ele me contou, o Reino de Zimbá vem tentando eliminar as plantas modificadas daqui faz anos. Pois tudo o que elas veem, matam na hora! - Explica Cybernics pelo comunicador. - E temos que tomar muito mais cuidado agora, pois está de noite...

- Tenho fé de que podemos fazer esse trabalho para eles... - Diz Bogan pegando sua espada e escudo.

Eles andam juntos com o esquadrão silenciosamente alguns metros longe da nave. Lanti liga seu comunicador de alta distancia e fala:

- Cybernics, qual é o local exato da queda?

- Perto da montanha, na área em que a terra está árida. - Responde Cybernics.

- Ah, estou vendo. - Diz Lanti.

Eles se aproximam mais e mais da montanha, a área aparentava haver só vegetação, porém, quando eles se aproximaram, viram uma aldeia abandonada. A aldeia estava cercada de raízes gigantes, elas cobriam os telhados e o lado de dentro das tocas. Dani, vendo aquelas raízes enormes, não se segurou...

- Que incrível! Essas plantas são extremamente poderosas! - Grita Dani.

- Não grite Dani! - Diz Pintado tapando o bico de Dani.

O barulho faz as raízes se moverem, elas pareciam estar entrando de volta na terra. Um buraco gigante podia ser visto no centro da aldeia, e dela lá, uma grande planta carnívora saia, expondo cada vez mais o seu grande caule, ela era muito maior que eles, sua boca era achatada e não possuía olhos, os espinhos dificultava a efetividade dos ataques contra ela. Um ser monstruoso.

- Porcaria... - Diz Lanti andando para traz.

Quando a planta dá um bote em cima deles, Drarcum, que estava bem atrás de todos, usa sua armadura de metamorfose para entrar dentro da planta, e dentro do caule, ele queima o interior com seu bafo de dragão. A planta cai no chão queimada, Drarcum sai de dentro com as garras. Todos olham para Drarcum.

- O que foi? Alguém tinha que fazer algo - Ironiza Drarcum.

Os soldados desciam a ladeira de terra e continuaram o caminho até o local da queda, porém, quando eles deram o primeiro passo, as plantas carnívoras os bloquearam em uma barreira longa e resistente, de todos os lados, só era possível ver as raízes. Eles estavam cercados.

- Argh... Alguém aí quer treinar um pouco antes da verdadeira batalha? - Pergunta Lanti pegando sua espada.

- Vamos logo cavaleiro alado, sobe nas minhas costas - Diz Drarcum ainda transformado em um dragão de metal.

Lanti monta em Drarcum. Todos trocam olhares entre si, e decidem fazer o mesmo que os deuses. A guerra começa! Os soldados disparavam para todos os lados, destruindo cada vez mais a barreira de plantas. Um deles consegue fazer uma brecha na barreira, e Pintado, Dani, Drarcum, Lanti e Bogan pularam para fora. Eles caem em terra fofa, sem machucados.

- Estamos perdendo nosso tempo! Precisamos focar no caminho principal, preciso que alguns fiquem aqui ajudando os soldados enquanto outros começam logo a batalha contra o monstro.

- Deixa comigo, eu consigo dar conta desses vegetais estúpidos. - Diz Drarcum dando um salto em cima da barreira.

- Ótimo, vocês três virão comigo. Bogan, preciso de sua ajuda, será que pode usar seus poderes para levar os dois? - Pergunta Lanti.

- Tá, vamos logo com isso... - Diz Bogan. Ele agarra Dani e Pintado e dá um salto bem alto com as botas de vibranium. Uma das plantas carnívoras aparece surge no caminho da selva, mas Bogan pisa nela com as botas, e impulsiona para dar outro salto.

Enquanto isso, Drarcum havia queimado toda a barreira de plantas carnívoras, e conseguiu reagrupar os soldados, todos eles agora estavam indo em direção ao ponto.

Chegando Lá, Bogan solta Dani e Pintado no chão, Lanti pousa recolhendo suas grandes asas e Drarcum e o exército chegam pelo caminho de terra.

- Onde está esse monstro infeliz? - Pergunta Drarcum cheio de adrenalina pela destruição das plantas.

- Acalme-se, ele ainda está caindo, teremos que evitar contato, para que não aconteça algo de ruim... - Diz Lanti colocando a mão para impedir Drarcum.

O monstro começa a pegar fogo cada vez mais que se penetra na atmosfera, os guerreiros estão prontos , cada um com suas armas em posição, nada podia dar errado. O monstro finalmente se impacta com o chão. Ele causa um barulho muito alto, a poeira sobe junto com o estrondo, tornando a visão do campo de batalha invisível. Quando a poeira passa, é possível ver apenas uma capsula de metal retangular, mas nada do monstro.

- Onde está o monstro? - Pergunta Dani.

A capsula começa a se abrir por cima, se dividindo em vários pedaços lentamente. Os guerreiros se alertam do perigo e põem suas armas a postos de combate. Quando a capsula é aberta por completo, o monstro é revelado dentro dela, ele era um pinguim brilhante de cor vermelha, raios circulavam o seu corpo e seus olhos eram verdes radiativos. Nenhum dos guerreiros teve coragem de avançar, até que...

- Bem... Acho que tu és o nosso alvo principal. - Diz Lanti. Lanti transforma sua espada multi-arma em uma bola de demolição, e acerta o monstro.

O monstro é jogado para longe com o impacto, porém, ele cria correntes elétrica e as engancha em dois soldados, e volta ao combate. Infelizmente, os dois soldados morreram eletrocutados. O monstro começa a sugar energia dos soldados com suas correntes, os soldados correm desesperados. Os outros guerreiros vão se proteger atrás das plantas ali perto.

- Alô, Cybernics? Se está me ouvindo, por favor atire logo nessa coisa! - Diz Lanti pelo comunicador de alta distância. - Ele parece ser um demônio que rouba energia vital, ou algo do tipo.

- É pra já! Só preciso anotar isso nos códigos... - Diz Cybernics digitando no teclado o mais rápido possível. - Fogo!

Cybernics dispara lasers de seu canhão na nave, o monstro fica distraído, era o momento perfeito para atacar.

- Em três... Dois... Um... Atacar! - Ordena Lanti. Todos partem pra cima do monstro.

Primeiro, Pintado enrosca a garganta do monstro com um gancho e puxa ele para o chão, em seguida Lanti e Drarcum dão várias pancadas nele com suas armas, e pra finalizar, Bogan iria arrancar sua cabeça com a espada. Mas, o monstro foi mais rápido e cortou o gancho. Ele segurou Bogan pela garganta e sugou parte de sua energia divina... Junto com seus poderes! E para evitar a perca total dos poderes, Lanti empurra o monstro. Ele enfia a espada nele.

- Seu verme imprestável, morra! - Grita Lanti.

Porém, Lanti não consegue, a energia do monstro é forte demais, e a espada sai de seu corpo. Ele pula em cima de Lanti e suga um pouco de sua energia, mas Lanti o joga no chão e se esconde de novo. Bogan e Drarcum estavam atrás da capsula tentando arranjar uma solução pro problema.

- Bogan, preciso que vá pedir ajuda a Cybernics, o meu comunicar falhou, a energia dessa coisa é muito forte... Essa manopla, de Pugnatroces, se você girar ela e impulsionar toda a força para a frnete, consegue ir em longas distâncias, não consigo usar meu teletransporte, esse monstro está sugando minha energia... Então, vá!

- Então, se eu girar a manopla assim eu vo... Aaaaaah!!! - Bogan gira sua manopla e impulsiona ela para frente, e ela o joga na nave de Cybernics. Ele entra na nave desesperado e fala:

- Cybernics, por favor, precisamos de ajuda! Esse monstro é forte demais, precisamos de uma carga mais resistente que a dele, algo que faça ele ser morto.

- Olhe Bogan, eu não tenho mais soldados reservas, infelizmente teremos que correr o risco e lutar contra ele, de frente a frente. - Diz Cybernics com medo de suas próprias palavras

- Eu tenho certeza que você tem mais alguns soldados reservas, e aquele soldado 1? Ele parece ser uma fonte de energia forte. - Diz Bogan esperançoso.

- O defeituoso? Mas ele é perigoso demais, pode se descontrolar e matar todos... Não podemos libera-lo - Diz Cybernics.

- Bem, como você disse, teremos que correr o risco... Senão, já era. - Diz Bogan.

Cybernics olha para Bogan por alguns segundos, preocupado com a escolha que irá tomar. Depois, ele se vira para o painel de controle e destrava a jaula de Técnico1. Ele pega o microfone e fala:

- Técnico número um, você está finalmente, liberado para o combate! - Diz Cybernics.

- Eu... Estou livre? - Diz Técnico. - Finalmente... Eu esperei muito tempo por isso!

Técnico corre até a sala central e se apresenta, como costume de soldado. Cybernics olha com uma cara desconfiada para ele, mas o deixa sair. Bogan e Técnico correm na selva até chegarem ao confronto. Dani e Pintado atiram flechas escondidos atrás das plantas, mas não parece fazer efeito contra o monstro.

- Técnico, avance no monstro e descarregue sua energia bruta! - Diz Bogan.

- Venha, me dê um abraço seu monstro infeliz! - Diz Técnico pulando e agarrando o demônio, ele sobrecarrega a energia do demônio, o deixando instável. Lanti olha para a eles, e tem uma ideia.

- Drarcum, se transforme de novo, preciso de sua ajuda. - Diz Lanti.

- Certo! - Diz Drarcum se transformando.

Lanti lança uma carga maior de eletricidade nos dois, o que deixa o demônio sobrecarregado por completo. Lanti coloca Bogan em suas costas, e o resto dos soldados sobem em cima de Drarcum. Drarcum corre para longe dali. Antes de Lanti voar, ele vê que Dani, Pintado e Técnico ainda estão ali... Porém, ele parte, dizendo a frase:

- Que o Titã, reconheça esses nobres soldados... - E alça voo.

- Não! Esquecemos eles lá embaixo, volte, eles vão morrer! - Implora Bogan.

- Bogan, o Titã sabe o que está fazendo, sempre sabe, então, não questione! - Diz Lanti.

- Mas... - Mal termina Bogan.

- Não questione! - Grita Lanti.

Os dois somem na névoa da noite. O demônio estava prestes a explodir de tanta carga energética, a energia divina que foi sugada de Drarcum, Lanti e Bogan ainda estava presa dentro dele. Dani e Pintado são cercados por uma barreira feita de cristais, provavelmente feita pelo próprio demônio, circulando o local de terra árida.

- Essa coisa vai matar a gente! E eles nos deixaram aqui... Como se não se importassem. - Reclama Pintado com medo. - Imprestáveis!

- Se acalme Pintado, tudo vai dar certo, eu tenho certeza que eles não nos deixaram aqui sem motivo... É o destino! - Diz Dani.

- Você ficou maluco, vamos morrer aqui, e você acha que isso é legal? - Diz Pintado com o coração acelerado. - Aquele maluco elétrico não ia ter uma vida muito longa mesmo... Mas nós... Eu, eu não sei... Eu tenho minha mãe para cuidar, eu não posso simplesmente...

Dani coloca uma das mãos no ombro de Pintado e senta com ele no chão, ele respira fundo e fecha seus olhos.

- Ter que deixar minha esposa, vai ser a pior coisa do mundo... Mas, saber que vou morrer, ao lado de guerreiros honrados, me deixa muito melhor. - Diz Dani.

 Pintado se cala por algus segundos, mas, decide se acalmar, e esquecer da situação. Ele pega sua caixa de som do seu bolso e coloca fones de ouvido, e ouve, sua música preferida...

- Bem... É o fim. Pelo menos, eu posso ouvir minha música favorita antes de morrer... Adeus Dani. - Diz Pintado.

- Adeus, Pintado.

- Ghhhhhhhr, Aaaaaaah! - Técnico grita de dor de tanta carga, e explode junto com o demônio, Pintado e Dani recebem rajadas de cristais, e um deles acerta um dos olhos de Pintado, a explosão é contida pela barreira, mas, todos os corpos ali dentro, são evaporados na hora...

Ugh, que final mais tenso! Mas, sabendo que eles morreram com honra, me sinto bem melhor. O que você achou desse capítulo? Comente aqui embaixo! Não se esqueça de compartilhar a série com os seus amigos. O próximo capítulo sai no sábado de 18:00, como sempre. Até a próxima, e, Tchau!